Validação da Reclamação

Por favor, nos forneça informações para confirmar a propriedade e validar sua reivindicação.
caracteres perdidos: 50
OK, mensagem enviada.
Mensagem não enviada.

Categorias

Regiões

Jogos e redes sociais desencadeiam agitação e medo de uma forma que pode alterar o cérebro de uma criança

A plena atenção pode estar crescendo em popularidade, mas a tendência oposta também está – a distração digital. O estresse causado pela distração digital está prejudicando nossos filhos.

Nossos filhos passam mais tempo nas telas do que dormindo. O Common Sense Media Census de 2019 descobriu que as crianças americanas passam muito tempo online, com ‘adolescentes assistindo cerca de sete horas e meia (7:22) diariamente – sem incluir o uso de telas na escola ou para fazer a lição de casa’. A falta de sono, juntamente com os riscos de predadores online e pornografia, são os problemas mais óbvios com a cultura de tela juvenil. Mas, outro grande problema que muitas vezes passa despercebido é o estresse crônico.

Muitas formas populares de tecnologia de entretenimento promovem uma resposta ao estresse no corpo e no cérebro de uma criança. A exposição repetida pode afetar o desenvolvimento do seu filho e até mesmo mudar sua personalidade. É também um fator que contribui significativamente para as taxas crescentes de ansiedade, depressão e suicídio entre os jovens de hoje. O estresse digital prejudica as crianças tanto física quanto emocionalmente.

Por que a mídia em tela não é relaxante

O que achamos que é relaxante não é.

Quando meu filho mais velho começou a jogar três a cinco horas por dia, eu sabia que ele estava perdendo tempo. O que eu não sabia era que, enquanto ele subia na tabela de classificação em seu jogo, seus hormônios do estresse também estavam subindo para novos níveis. Suas glândulas supra-renais estavam sendo estimuladas a liberar uma onda de adrenalina e cortisol, resultando em pressão alta, aumento da frequência cardíaca e aumento de energia para combater, neste caso, um inimigo virtual.

Em um estudo publicado pelo National Center for Biotechnology Information, os efeitos estressantes dos videogames foram avaliados por vários parâmetros fisiológicos, psicológicos e bioquímicos, e os resultados mostraram um aumento significativo nos marcadores fisiológicos e psicológicos do estresse. Os videogames causam estresse e esse estresse prejudica as crianças.

Eu tinha perdido todos os sinais de estresse tóxico em meu filho. Ele era irritável, ficava acordado a noite toda, tinha explosões de raiva e ficava facilmente deprimido. Eu até notei manchas em suas calças de onde ele limpou as mãos suadas durante o jogo.

Eu achava que jogar era o que ele fazia para aliviar o estresse e achava que ele merecia uma pausa na lição de casa. Afinal, ele era um aluno nota ’10’. Ele não precisava de tempo de inatividade?

Mesmo quando chegamos ao ponto em que sentimos que o estávamos perdendo, nunca passou pela minha cabeça que o estresse de seus jogos o estava prejudicando tanto física quanto mentalmente. Era um jogo, então como poderia ser estressante?

Jogos e mídias sociais causam estragos no cérebro em desenvolvimento

Agora sei que os jogos (assim como o uso de mídias sociais) são uma das atividades menos relaxantes em tempos de inatividade. O estresse causa estragos em um cérebro em desenvolvimento, levando a problemas que duram até a idade adulta.

Esta é a razão subjacente pela qual nossa nova norma cultural de colocar videogames e smartphones no colo de todas as crianças tornou a infância hoje o estágio de desenvolvimento mais cheio de ansiedade.

As mídias sociais podem não ser violentas da mesma forma que os videogames, mas o medo de ser deixado de fora, envergonhado ou sofrer a ‘morte’ social também desencadeia as respostas bioquímicas ao estresse. De fato, devido à importância dos relacionamentos em nossas vidas, o medo da morte social pode ser ainda mais estressante do que um jogo intenso, levando à ansiedade e ao desespero.

Novidades são viciantes

Tudo que é novo é divertido.

O trabalho de todo videogame e plataforma de mídia social é manter os usuários online. O trabalho de todos os pais é garantir que seu filho não seja um daqueles viciados.

Os elementos de design persuasivos usados ​​em jogos e plataformas de mídia social – recompensas, atualizações, tabelas de classificação, comentários, curtidas e corações – são semelhantes aos usados ​​para viciar jogadores em cassinos. Essa ideia é relativamente fácil de entender. O que é mais difícil de reconhecer são as técnicas adicionais usadas pelos designers para manter nossos filhos viciados – a novidade e o medo.

Os humanos anseiam por novidades (a qualidade de ser novo, original ou incomum), um elemento aparentemente benigno que todos adoram. Todos os jogos são projetados para oferecer constantemente novas experiências: novos níveis, novas skins, novas músicas, novos mundos, etc. Químicos de bem-estar como serotonina e dopamina são ativados por novos desenvolvimentos no jogo. Quanto mais emoção houver, mais dopamina é liberada. Oferecer novidades é um vencedor certo para os designers de jogos, mas se isso não mantiver os olhos do seu filho grudados na tela, o medo o fará.

Medo mantém um jogador engajado

Jogar é vida ou morte para o cérebro acelerado.

O elemento do medo está ao virar a esquina em todos os jogos, mesmo nos de classificação infantil. Por quê? Porque os designers de jogos sabem que o medo de morrer produz adrenalina e mantém o jogador engajado.

Se uma criança estiver jogando um jogo não violento, ela pode ter que pular sobre uma tartaruga, desviar de uma bola de fogo ou evitar cair em um buraco ou poço de lava – tudo antes que o tempo se esgote. Se ele estiver jogando um jogo violento, como Fortnite, ele deve lutar por sua vida para permanecer vivo e no jogo. Ambos os tipos de jogos são emocionantes e estressantes ao mesmo tempo.

Os pais lutam para entender as ramificações desse fator de medo. Para um adulto, a ameaça de perder um personagem em um jogo é trivial. Para uma criança, é tudo. Essas mortes virtuais são realistas. Quando há ameaças à vida de um personagem, a amígdala do cérebro soa um alarme de que o perigo está à frente. Isso ativa uma série de respostas de sobrevivência, colocando o cérebro em estado de alerta máximo. Como o cérebro não pode dizer a diferença entre uma ameaça física real e uma virtual, o sistema de resposta de luta ou fuga entra em ação, liberando uma cascata de substâncias químicas. Esse pico de adrenalina e cortisol desencadeia mudanças fisiológicas como respiração rápida, pulso aumentado e liberação de glicose para preparar o corpo para reagir ao perigo. O foco se estreita e uma resposta aumentada a estímulos imediatos desloca a função executiva.

Esse estado de estresse também impede que a criança acesse totalmente a parte pensante de seu cérebro: o córtex frontal. Afinal, quem precisa se preocupar em jantar ou fazer a lição de casa quando sua vida está em jogo? Quanto mais uma criança brinca, mais estressada ela fica. Quando o sistema de estresse do corpo está sempre ligado, não há alívio dos surtos bioquímicos e o ciclo vicioso continua. Esse estado de estresse crônico desgasta tanto o corpo quanto a mente; e quanto mais jovem o cérebro, mais danosos são os efeitos.

Estresse digital na vida virtual é igual ao estresse na vida real e esse estresse prejudica nossos filhos

O ​​uso excessivo desse sistema de luta ou fuga por meio de roteiros interativos repetidos resulta no caminho da liberação do estresse se tornando mais rápido e mais forte. É assim que os videogames realmente moldam a estrutura do cérebro. Como um rastro de pneu em cimento molhado, com o tempo esse caminho de estresse endurece em um sulco que se torna a rota preferida quando outros gatilhos ocorrem no mundo real.

Uma vez que o caminho do estresse se torna o caminho de menor resistência, ameaças da vida real o acessam facilmente. Seu filho pode reagir exageradamente com uma resposta ao estresse por uma razão trivial, porque essa rota se tornou seu modo padrão.

Talvez ele jogue algo com raiva ou diga algo cruel. Lembre-se de que suas habilidades de controle de impulsos ainda não estão aprimoradas, mas sua resposta de luta ou fuga está.

Os pais geralmente não percebem o problema até que os sinais de estresse sejam mais pronunciados. Você pode notar conflitos de relacionamento, mentiras, menor atenção para o trabalho acadêmico, incapacidade de se concentrar e comportamentos mais agressivos nas brincadeiras da vida real. Os pais podem envolver terapeutas porque seu filho está agindo mal na escola.

Fazer qualquer coisa quando você está estressado é difícil. Adolescentes sob estresse crônico, devido a muito tempo de jogo e pouco sono, não atingirão seu potencial acadêmico. O estresse da tela pode tornar mais difícil planejar com antecedência, resolver problemas, ter empatia ou pensar nas consequências das ações.

Viver nesse estado de estresse crônico prejudica a capacidade da criança de fazer e manter amigos, porque uma criança com estresse crônico não é divertida. Os pais podem colocar seu filho sob medicação ou tentar argumentar com seu jogador. Alguns pais acham que seu filho vai superar o problema. Mas, a melhor solução para o problema do estresse crônico é remover a fonte e permitir que o cérebro reinicie.

Mídias digitais mudam os relacionamentos de uma criança

O jogo se torna sua nova família.

Todo o tempo que uma criança investe no mundo virtual torna difícil ir embora. As crianças ficam ansiosas quando tentam, o que causa ainda mais estresse.

Quando as crianças passam o tempo construindo um sentimento de pertencimento no mundo virtual, seus relacionamentos online superficiais e seu estado crônico de estresse se normalizam. O mundo real então parece estranho e desconfortável.

Enquanto isso, o custo de oportunidade tornou-se significativo, possivelmente tão grande quanto o preço que esse estresse está causando na mente e no corpo de uma criança.

O estado de estresse crônico impede que seu filho descubra interesses e hobbies saudáveis ​​durante a adolescência. Este momento da vida é crítico porque o cérebro e o corpo estão passando por fases cruciais de desenvolvimento. O cérebro está fortalecendo os caminhos bem usados ​​e podando os que não são usados.

Mas a maior perda é o distanciamento de seu relacionamento familiar.

Moderação não funciona quando se trata do uso tóxico de tela 

A moderação funciona para atividades de tela não estressantes, como filmes em família ou trabalhos escolares. Mas a moderação não funciona para o uso de telas interativas tóxicas e estressantes.

Quando seu filho joga videogame ou navega por uma conta de rede social por 30 minutos por dia, ele está construindo um forte hábito. Mesmo uma breve exposição diária estimulará e fortalecerá o caminho do estresse. Os efeitos do estresse são cumulativos e arraigados, o que significa que o cérebro do seu filho não recebe uma lousa limpa todas as manhãs para recomeçar.

Os jogos são projetados para prender o jogador, então 30 minutos, ou mesmo uma hora por dia, nunca serão suficientes. Eventualmente, você estará discutindo com seu filho adolescente quando ele não vai sair do jogo para vir jantar ou ela não vai largar o smartphone para se preparar para o treino de futebol. Você desejará nunca ter introduzido videogames ou smartphones em primeiro lugar.

Há muito debate sobre as melhores práticas para gerenciar telas estressantes. Terapeutas, outros pais e até mesmo o vizinho ao lado, todos oferecem opiniões. No entanto, quando você considera a ciência do cérebro de como o estresse crônico está mudando o cérebro de nossos filhos e fazendo-os sofrer, a resposta é simples: remova o estimulante para que o cérebro possa redefinir e curar.

Largue a tela para aliviar o estresse digital

Isso é fácil?

Não. As melhores soluções raramente são fáceis ou populares. Mas funciona, e muitas famílias estão descobrindo que seus filhos estão prosperando sem videogames e redes sociais. Jogar videogame não é uma atividade obrigatória ou saudável para as crianças, nem ver constantemente uma seleção de fotos e vídeos cuidadosamente selecionados de outras pessoas.

As redefinições mais bem-sucedidas ocorrem quando os pais eliminam corajosamente o uso tóxico de telas – videogames e redes sociais – da dieta digital de seus filhos. Concentre-se em atividades da vida real que exigem movimento e exposição à natureza, remédios naturais para o estresse.

Os pais devem incentivar o desenvolvimento de habilidades para a vida, hobbies não tecnológicos e relacionamentos pessoais. Quando o fizerem, eles começarão a ter seu filho de volta.

Não tenha medo de ser um pai contracultura

Os pais contracultura entendem que os relacionamentos são uma proteção natural contra os perigos do estresse tóxico. Quando as crianças experimentam brincadeiras livres com outras pessoas off-line, elas são mais saudáveis ​​e ainda mais inteligentes. Adolescentes que passam tempo pessoalmente com amigos são mais calmos e menos ansiosos. Quando as crianças passam tempo com suas famílias, elas desfrutam de um sentimento mais profundo de apego e felicidade. Não há garantias, mas quando você remove as telas tóxicas, aumenta as chances de ter filhos mais felizes e saudáveis.

A comunidade nos acalma enquanto o isolamento nos estressa. Ensine seus filhos a manter alguns bons amigos e aproveite a construção de relacionamentos pessoais. Esta é a vida que seus filhos desejam.

À medida que seu filho cresce em confiança e propósito, toda a sua família será mais feliz. Esta vida livre de estresse trará calma e paz para sua casa. Quando você se junta ao grupo daqueles pais que optam por seguir o caminho menos percorrido, aperta o botão de pausa nos videogames e atrasa a introdução dos smartphones, você finalmente recuperará seu filho perdido e redescobrirá o que ambos estavam perdendo o tempo todo.

Você não vai se arrepender.

Melanie Hempe, BSN, é a fundadora da ScreenStrong, uma organização que capacita os pais a manter os benefícios da mídia de tela para crianças, enquanto capacita os pais a atrasar as telas que podem ser tóxicas – como videogames e smartphones. A solução ScreenStrong promove um estilo parental forte que substitui proativamente o uso prejudicial da tela por atividades saudáveis, desenvolvimento de habilidades para a vida e conexão familiar.

Esta história foi publicada originalmente no Blog ScreenStrong.

Veja também: